“Reconheço as dificuldades da saúde”, diz Ibaneis Rocha

Em solenidade no Paranoá, o governador do DF reforçou a preocupação do governo em relação à saúde

479

Após a solenidade de inauguração da primeira Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Paranoá, nessa segunda-feira (18), o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) declarou aos jornalistas: “Esperamos desafogar os hospitais para que a população tenha um atendimento cada vez melhor. Eu reconheço as dificuldades da saúde”. Para fortalecer o atendimento à população, no mês passado, a cidade também ganhou uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

Com capacidade para atender cerca de 4,5 mil pessoas por mês, a primeira Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da região foi inaugurada em solenidade com a participação de diversas autoridades. Fruto de um investimento de R$6,9 milhões do Instituto de Gestão Estratégica em Saúde (iges-DF), a unidade conta com 146 profissionais da área da saúde e vai beneficiar cerca de 26 mil moradores da região, que poderão receber atendimento de urgência, observação e isolamento, com equipe médica, enfermeiros e laboratoristas.

O Iges-DF é quem realiza a administração das UPAs do Distrito Federal e o recurso foi aplicado na obra, na aquisição de equipamentos e em mobília hospitalar. Em discurso, o presidente da instituição, Gislei Morais de Oliveira demonstrou gratidão e comemorou a conquista: “Eu acredito que esse momento é de agradecimento. Todos aqueles que colaboraram, o nosso muito obrigado. Através dessa unidade vamos ouvir quem vem à UPA, e quem vem à UPA vai ouvir dos nossos profissionais os conselhos para que possam ter uma vida melhor e mais digna”, finalizou.

Para reforçar a importância dessa obra, o secretário de Saúde, Manoel Pafiadache discursou brevemente a respeito da melhora na qualidade de atendimento à população e reforçou que o DF segue como a unidade de federação que mais inaugurou unidades de saúde nos últimos anos. Além da nova unidade do Paranoá Parque, mais sete serão construídas e outras duas já estão sendo projetadas (no Guará e na Estrutural). Segundo o governador Ibaneis Rocha, o objetivo é aliviar o atendimento dos hospitais, para o retorno das cirurgias eletivas: “Passamos 1 ano e meio na pandemia, mas o que esperamos é retomar da forma mais rápida possível”.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do DF (SECT-DF), Gilvan Máximo reforçou que a UPA possui rede wi-fi e que existem projetos para levar o acesso à internet a mais de 30 mil famílias carentes. Também participaram da cerimônia de inauguração o vice-governador do DF, Paco Britto, o presidente da Câmara Legislativa, Rafael Prudente, o secretário de governo José Humberto, o secretário de Saúde, Manoel Pafiadache, a secretária da Mulher, Ericka Filippelli, o administrador regional do Paranoá, Sérgio Damaceno, a ministra da secretaria de governo Flávia Arruda, os deputados Julio Cesar, Jorge Viana e Celina Leão, entre outros.

Moradores reclamam da falta de atendimento

”Espero que com a nova UPA o atendimento melhore. As pessoas estão indo no Hospital do Paranoá e eles dizem que estão em bandeira vermelha, só podem ser atendidas pessoas que estão em caso grave. Os outros ficam sem atendimento”. A declaração é de Cristiano César Soares, morador do Paranoá. Ele comentou ao JBr que têm ouvido reclamações nos últimos meses a respeito de problemas para receber atendimento nos postos de saúde e hospitais do local. Certa vez, Cristiano procurou o hospital devido a um mal estar relacionado à ansiedade, mas não conseguiu ser atendido e teve que se dirigir a outra unidade.

Com relação a essas reclamações, o governador Ibaneis esclareceu: “Todas as equipes estão montadas. Não existe qualquer tipo de denúncia quanto ao atendimento das UPAs, às vezes temos falta de profissionais por questões de saúde, mas as atividades são retomadas imediatamente”. De acordo com o governo local, também estão previstas a construção de mais 15 Unidades Básicas de Saúde.

As Unidades de Pronto Atendimento (UPA) funcionam 24 horas por dia, durante os sete dias da semana e prestam o primeiro atendimento aos casos emergenciais. Já as Unidades Básicas de Saúde (UBS) tem horário de atendimento de acordo com a localidade e atende casos sem risco de morte, por ordem de prioridade através da classificação de risco.

Por Redação do Jornal de Brasília com informações de Sandra Barreto da Gazeta do DF

Foto: Renato Alves/Agência Brasília