Lições sobre sustentabilidade para tornar o Guará uma cidade inteligente

Iniciativa da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação com outros órgãos, o projeto HackaCity Guará ocorre até domingo na região administrativa. Confira a programação!

8

O Parque Vivencial Denner, no Guará II, é palco de uma série de debates, atividades e apresentações de tecnologia e sustentabilidade até o próximo domingo (19). O projeto se chama HackaCity Guará e busca soluções de como tornar a região administrativa uma cidade inteligente. Com entrada gratuita, a iniciativa é do Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico do DF (Codese) em parceria com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti).

No local, vão passar startups, produtores de games, artistas, estilistas, criadores de projetos sociais e a comunidade. São muitas ideias na cabeça com o objetivo de hackear o velho Guará, ou seja, trazer inovação. Na última terça-feira (14), alunos da Escola Classe 2, entre 7 e 8 anos, tiveram uma aula de preservação ambiental: garrafas pets de refrigerante se tornaram um vaso auto-irrigável pelas mãos dos pequenos. Ali, eles plantaram mudas de alface e manjericão, antes de seguirem com a plantinha para suas casas.

O aprendizado por meio de um game foi outra proposta apresentada. O desenvolvedor de jogos Ignácio Alencar, 38 anos, apresentou a Odisseia, que ensina diversas matérias da grade escolar numa aventura de videogame. Uma plataforma pronta para atender a estudantes do ensino fundamental e médio. Numa outra pegada, mais ao gosto das gerações antigas, um grupo de três amigos levaram até lá um jogo de tabuleiro criado por eles e genuinamente brasiliense: o Guerra Sobrenatural.

Experiências novas a serem conhecidas pelo público local. “O evento é inspirado na Carta Brasileira para Cidades Inteligentes que possui doze tópicos. E não se trata só de tecnologia e inovação, mas também de igualdade social, de sustentabilidade e de auto regeneração, que é aproveitar o potencial de pessoas mais velhas”, explica a gestora do HackaCity e integrante do Codese, Cristiane Pereira.

“Temos espaços aqui no Guará como o Laboratório Include, criado pela Secti, e a Escola Técnica do Guará, que precisam ser melhor explorados pela comunidade”, emenda.

Implementação das soluções criativas na cidade

A Secti investiu R$ 300 mil no evento com recursos oriundos de uma emenda do deputado distrital Delmasso. E, conforme revela o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Elisio Luz, um relatório com todas as inovações trazidas para o Guará será apresentado ao final. “A ideia é levar o que foi discutido no evento para que startups do Guará possam desenvolver esses projetos na comunidade, num prazo de seis meses. Penso que é uma forma de trazer educação e qualidade de vida para os moradores”, pontua Elisio.

Para a administradora do Guará, Luciane Quintana, o HackaCity converge com as atuais demandas de uma cidade em crescimento. “O evento propõe novas maneiras de pensar e de se fazer tecnologia a serviço das pessoas. Tudo isso envolvido em um contexto onde se exigem soluções pensando nas futuras gerações”, lembra.

Lição ecológica

Instrutora do Instituto Arapoti, Clarissa Santos, foi quem ensinou os alunos a fazerem seu próprio vasinho de planta. A lição de sustentabilidade foi bem assimilada, diante de tamanha animação das crianças. “Se a gente coloca a turma para aprender em um ambiente de horta, próximo à natureza, ela vai se desenvolver cognitivamente muito melhor. Saem daqui novos agentes de sustentabilidade”, conclui.

Por Agência Brasília com informações de Sandra Barreto

Foto: Renato Araújo/Agência Brasília