GDF incentiva livro e leitura com recursos de R$ 3,7 milhões

Em 2021, programas culturais do governo mobilizaram ações que destacam autores locais

18222

“O Prêmio Candango de Literatura é uma aspiração que nasceu desde o início dessa gestão, com o objetivo de integrar a comunidade internacional de língua portuguesa” Bartolomeu Rodrigues, secretário de Cultura e Economia Criativa

Em 2021, a política pública para o livro e a leitura ganhou foco especial da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec). A pasta fez aportes diretos de R$ 2,7 milhões para incentivo, fomento e capacitação em três editais: Prêmio Candango de Literatura (R$ 1 milhão), Capacitação da Mala do Livro (R$ 1,2 milhão) e Premiação de Agentes de Leitura (R$ 500 mil). Criou ainda o Prêmio Candanguinho de Poesia Infantojuvenil, que contemplou 30 jovens autores.

Essas ações caminharam em paralelo com o fomento do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), que teve linha específica na categoria Leitura, Escrita e Oralidade no valor R$ 1 milhão para ao menos 28 projetos. Ao total, a área recebeu incentivo de R$ 3,7 milhões. “São ações inéditas dentro das últimas gestões da Secec, cuja política do livro e da leitura estava, até então, restrita aos editais do FAC”, aponta o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues. “Temos um compromisso com a política de difusão do livro e da leitura. Sabemos o quanto o acesso ao livro muda vidas. O Estado é a peça-chave dessa transformação”. A chefe da Assessoria de Relações Internacionais da Secec, Beth Fernandes, reforça: “A iniciativa é para garantir a continuidade dessas premiações no futuro, como parte do calendário cultural da cidade. O primeiro prêmio Candanguinho ocorreu em setembro, e o Candango está em plena fase de preparação para ser lançado em 2022”.

Prêmio Candango

A Secec enviou à Casa Civil minuta de projeto de lei instituindo o Prêmio Anual Candango de Literatura de Língua Portuguesa e o Prêmio Candanguinho, este voltado ao público infantojuvenil. Com aporte de R$ 1 milhão, o concurso terá as categorias Romance, Poesia, Conto, Prêmio Brasília, Capa e Projeto Gráfico, além de duas linhas destinadas a iniciativas de incentivo à leitura (Geral e PcD/Pessoa com Deficiência). “O Prêmio Candango de Literatura é uma aspiração que nasceu desde o início dessa gestão, com o objetivo de integrar a comunidade internacional de língua portuguesa”, afirma Bartolomeu Rodrigues. “É uma forma de estimular e valorizar os escritores nesse momento delicado.”

Rompendo a fronteira nacional, o Candango de Literatura acolhe escritores de países que falam a língua portuguesa. Esse aspecto que universaliza o certame vai dialogar com a valorização da literatura produzida em Brasília, que ganha uma categoria específica (Prêmio Brasília). “Estamos virando uma página nessa pandemia para mostrar a força da literatura em língua portuguesa”, avalia o titular da Secec. “O Estado tem esse papel de abrir caminhos. Acredito que esse Prêmio Candango de Literatura vai entrar no calendário internacional.”

O Prêmio Candango de Literatura alinha a Secec à Política Nacional de Leitura e Escrita no Brasil (Lei n° 13.696), que reconhece a prática da leitura e da escrita como um direito para exercer plenamente a cidadania. Com base na última edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, a quantidade de leitores no país caiu de 56%, em 2015, para 52% em 2019. Com o potencial de se tornar um dos mais importantes concursos do gênero entre os países de língua portuguesa, o Prêmio Candango de Literatura será realizado este ano.  Para sua execução, a Secec selecionou o Instituto Cultural Casa de Autores. “Seguir com o Candango de Literatura é aprofundar e dar prosseguimento à política pública de Leitura, Escrita e Oralidade no âmbito nacional, estadual e local, contribuindo para valorizar e disseminar a cadeia produtora do livro e leitura”, destaca Beth Fernandes.

Prêmio Candanguinho

No intuito de fomentar os primeiros leitores, o I Prêmio Candanguinho de Poesia Infantojuvenil selecionou 30 obras inéditas de crianças e jovens entre seis e 17 anos para compor a coletânea de poesias Mala do Livro: uma viagem na leitura, em celebração aos 30 anos do projeto da Biblioteca Nacional de Brasília (BNB).

“A equipe da BNB envolvida no projeto ficou entusiasmada com os resultados”, conta a diretora da BNB, Elisa Raquel Quelemes. “Esse programa e o prêmio representam um pedacinho de um desafio maior de estímulo à escrita, à leitura e à oralidade que a Secec está construindo.”

As 30 poesias selecionadas foram publicadas em coletânea nos formatos e-book, livro impresso e braille. Além de dez exemplares da obra impressa, os primeiros colocados nas categorias Infantil, Pessoa com Deficiência e Juvenil receberam como prêmios smartphones, tablets e leitores de e-book. Os demais selecionados ganharam certificado de participação e dois exemplares da coletânea.

Mala do Livro

Com o intuito de valorizar o trabalho e a dedicação dos voluntários do programa Mala do Livro, a Secec lançou dois editais: um para premiação de 100 voluntários, com aporte de R$ 500 mil, e outro de capacitação, no valor de R$ 1,2 milhão. “A iniciativa é para garantir a continuidade dessas premiações no futuro, como parte do calendário cultural da cidade”, explica a chefe da Assessoria de Relações Internacionais da Secec, Beth Fernandes. “O primeiro prêmio Candanguinho ocorreu em setembro, e o Candango está em plena fase de preparação para ser lançado em 2022”

No primeiro edital, cada voluntário selecionado do programa de criação de bibliotecas domiciliares foi premiado com R$ 5 mil por sua contribuição ao fomento do livro, da leitura e da contação de histórias no DF ou na Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride). No segundo, foi selecionada a instituição Companhia Voar Arte Para Infância e Juventude para capacitar 500 agentes de leitura.

“A Mala do Livro é um programa tipo exportação, que rompeu as fronteiras do Distrito Federal”, avalia Bartolomeu Rodrigues. “Tem a força que tem devido a esses voluntários amantes da leitura. É um projeto estratégico na política de leitura do Distrito Federal. Todo o investimento feito nessa ação expande-se de forma incalculável na vida do futuro e jovem leitor.”

Atualmente, a Mala do Livro tem 75,3 mil títulos cadastrados no sistema e em 196 malas – que são caixas de madeira dobráveis. Há ainda 188 malas em instituições que prestam assistência social, além de outras sete em hospitais. A Ride, que avança para Minas Gerais e Goiás, contabiliza mais de 500 unidades.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Por Agência Brasília com informações de Sandra Barreto

Foto: Divulgação/Secec