Doação de leite materno ajuda a salvar a vida de centenas de bebês

Banco de Leite Humano do Hospital Regional de Santa Maria tem baixa nos estoques em fevereiro; unidade amamenta uma média de 600 recém-nascidos por mês

0
294

O início do ano é sempre um período em que as doações de leite materno caem. Muitas mães viajam e ficam fora por um período maior de tempo. Porém, a demanda dos prematuros internados continua existindo, às vezes até em maior quantidade.

Mensalmente, o Banco de Leite Humano do Hospital Regional de Santa Maria arrecada uma média de 120 litros de leite materno oriundos das cerca de 100 doadoras externas. Além disso, consegue mais uns 50 litros das mães internadas com seus bebês no hospital. Porém, em fevereiro, houve uma queda considerável das doadoras internadas e, por conta disso, os estoques do BLH do HRSM já sofreu a consequência.

“Até houve aumento de coleta em domicílio, mas caiu muito a arrecadação dentro do hospital, do leite das mães que ficam na amamentação beira-leito. Além disso, aumentou o número de bebês internados que precisam receber o leite materno”, explica a chefe do Serviço do Banco de Leite Humano do HRSM, Maria Helena Santos.

Houve uma queda do total de leite cru ordenhado pelas mães nutrizes. Em janeiro, eram 77,3 litros coletados; já em fevereiro, foi um total de 71,5 litros. Além disso, o leite humano coletado dentro do HRSM também caiu de 9,9 litros para 5,0 litros, impactando diretamente nos estoques, já que houve aumento de novos receptores por mês. Em janeiro eram 685 e, em fevereiro, este número foi de 698 recém-nascidos.

Atualmente, o HRSM possui 20 leitos na unidade de terapia intensiva neonatal (UTIN), 15 leitos na unidade de cuidados intermediários neonatal (UCIN) e mais 40 leitos na maternidade.

“Sempre precisamos de mais doações e doadoras, porque temos uma média de 600 receptores de leite humano por mês, sendo diariamente cerca de 35 bebês alimentados com nossos estoques. No fim do mês, usamos aproximadamente 80 litros de leite”, explica.

Maria Helena também ressalta a importância de ter uma reserva técnica. “Além dos prematuros, que são as prioridades, há os casos em que as mães ainda não conseguem amamentar ou que tiveram alguma intercorrência no parto. Também usamos leite do estoque nos atendimentos externos que apresentam dificuldades”, completa.

Toda mãe que amamenta seu filho é uma potencial doadora e pode ajudar centenas de bebês. Quem tiver interesse, basta procurar o Banco de Leite Humano do HRSM ou, se preferir, se inscrever pelo site do Amamenta Brasília, ou fazer o cadastro no telefone 160, opção 4.

*Com informações do IgesDF

Por Agência Brasília

Foto: Divulgação/IgesDF / Reprodução Agência Brasília