Venda de peixes deve aumentar 50% na Quaresma, projeta Sindiatacadista-DF

De acordo com Álvaro Júnior, presidente do Sindiatacadista-DF, a Quaresma é uma data de grande relevância para o comércio

0
1064

Estamos praticamente na metade da Quaresma, período muito importante para os cristãos. Os quarenta e quatro dias dias que antecedem a Páscoa são marcados pela devoção dos fiéis, com jejum e oração. Nesta época, milhares de brasileiros fazem promessas e deixam de comer carne vermelha e frango.

De acordo com Álvaro Júnior, presidente do Sindicato dos Atacadistas do Distrito Federal (Sindiatacadista-DF), a Quaresma é uma data de grande relevância para o comércio, em especial o de pescados. “Conforme a tradição, neste período as pessoas trocam o consumo de outro tipo de proteína que não seja carne e frango, nas quartas e sextas-feiras até a Páscoa, o que ajuda nas vendas de pescados. Em alguns casos, há um jejum total de carnes vermelhas ou de frango durante esses 40 dias”, explica Álvaro Júnior.

A expectativa do Sindiatacadista-DF é que as vendas de pescados aumentem 50% durante toda a Quaresma em relação aos primeiros 45 dias de 2024. “O setor está muito otimista, além deste incremento importante no consumo de peixe durante esses 40 dias, estimamos que as vendas neste período serão 10% maiores que no ano passado”, afirma Álvaro Júnior.

Segundo o Diretor da Caravelas Frutos do Mar, Adolfo Pla Pujades, desde 2004, o consumo per capita de pescados no Brasil subiu de 6,5 kg para 10 kg por habitante por ano, um aumento de 65% até 2023. E nesse período tem um aumento ainda mais significante. “Entre os produtos mais procurados estão o Tambaqui, a Tilápia e o Pintado. O tradicional bacalhau também é muito bem-vindo à mesa”, ressalta o Diretor da Caravelas.

Informações são da Sindiatacadista-DF

Por Jornal de Brasília

Foto:  José Cruz/Agência Brasil / Reprodução Jornal de Brasília