Com queda no preço, veja os estados onde compensa abastecer com etanol

Ao todo, em 12 estados e no DF está mais vantajoso abastecer com etanol, de acordo com dados da ANP; confira

0
685

Muitos consumidores estão aderindo ao uso de etanol em vez da gasolina para abastecer seus carros. Com a queda no preço do combustível, um levantamento feito pelo Correio mostra que em 12 estados e no Distrito Federal já compensa mais abastecer com álcool. Mato Grosso, São Paulo, Mato Grosso do Sul e o DF são, respectivamente, as unidades com melhor custo benefício para usar o etanol. 

O levantamento foi feito a partir dos dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), coletados entre os dias 14 a 20 de janeiro.

Paulo Tavares, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e de Lubrificantes do Distrito Federal (Sindicombustíveis-DF), destaca que um dos principais benefícios para o uso do etanol é o ambiental, pela redução na poluição. Contudo, trata-se de um combustível menos econômico do que a gasolina. “Ele é a combustão do etanol e por não ser hidrocarboneto, gera menos energia, então o etanol precisa ter um preço mais baixo, porque você gasta mais quantidade de etanol para rodar uma mesma quilometragem do que a gasolina essa seria a única desvantagem”, frisa Paulo.

Além disso, o presidente explica que o etanol está mais barato nos postos de gasolina porque está sobrando produto. “Então a gente tem que ficar atento e verificar se as condições, principalmente do clima, que é um produto que vem do agronegócio, está muito bom porque quando não há uma boa safra, o produto fica parado”, ressalta.

Mas como saber se vale a pena trocar a gasolina pelo etanol?

De acordo com Paulo, a conta para avaliar se compensa ou não trocar um pelo outro é bem simples e pode ser feita por toda a população.

Basta dividir o valor do litro do álcool (ou etanol) pelo valor da gasolina. Quando o resultado fica menor que 0,7 significa que é mais vantajoso usar o etanol do que a gasolina, já quando o valor é maior ou igual a 0,7, vale mais a pena seguir com a gasolina.

Por Camilla Germano do Correio Braziliense

Foto: Minervino Júnior/CB/D.A.Press / Reprodução Correio Braziliense