Cadeiras de rodas motorizadas são entregues a pacientes cadastrados

Ao todo, foram distribuídos 113 equipamentos desse tipo em 2023. O aparelho, gratuito, é destinado a pacientes com graves restrições de movimento, que não possuam opções de recurso de mobilidade independente

0
985

A Oficina Ortopédica da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) entregou, na sexta-feira (22), nove cadeiras de rodas motorizadas a usuários cadastrados. Somadas a essas, outras 104 já haviam sido distribuídas neste ano. O equipamento, gratuito, é destinado a pacientes com graves restrições de movimento, que não possuam opções de recurso de mobilidade independente.

Para o morador do Riacho Fundo II Clênio Ventura, o dispositivo significa um avanço em sua qualidade de vida. “Antes de ter a cadeira motorizada, tudo era muito limitado. Eu ia ao shopping olhar uma roupa, um calçado e precisava pedir para alguém ficar virando a cadeira de um lado ao outro, para que eu pudesse ver o que queria”, lembra.

Clênio faz parte da Associação dos Pintores com a Boca e os Pés (APBP), que tem sede em Zurique, na Suíça, e seus quadros estão expostos mundo afora. O artista explica que a cadeira lhe proporciona mais autonomia e um sentimento de independência que não via desde que se acidentou, mais de 30 anos atrás, ao fazer um mergulho em uma barragem entre Brasília e Águas Lindas.

“A primeira vez em que saí com a minha cadeira motorizada, que virei a esquina da rua e percebi que estava só eu e ela, foi uma sensação de liberdade. Em todos esses anos de lesão, nunca tinha ficado só. Foi uma felicidade, uma satisfação muito grande. Quando estou nela, me sinto livre e responsável por mim mesmo. Vou para onde quero”, conta.

A cadeira também representa maior mobilidade ao morador de Planaltina Vaninho Rodrigues. Foi a sua primeira vez em um equipamento desse tipo. Para ele, a entrega da SES-DF é como um verdadeiro presente de Natal. “Com a cadeira, mesmo ainda não indo muito longe de casa, dá para andar sozinho. Vou ter mais liberdade com ela”, diz, satisfeito.

Pessoas com Deficiência em foco

As cadeiras motorizadas são feitas sob medida, sendo personalizadas de acordo com as necessidades de cada paciente. As entregas costumam ser realizadas coletivamente, em grupos que variam entre 10 e 15 usuários, de modo que a equipe do Núcleo de Produção de Órteses e Próteses (Nupop) da SES-DF possa dar orientações completas sobre o uso do material, que inclui motor e bateria.

A Oficina Ortopédica de Brasília integra a Rede de Cuidado à Pessoa com Deficiência (RCPD), instituída pelo Ministério da Saúde em 2012 com o objetivo de ampliar o acesso e qualificar o atendimento a pessoas com deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). A oficina é composta por dois núcleos: além do Nupop – responsável, dentre outras funções, pelo fornecimento de 13 tipos de cadeiras de rodas –, consta o Núcleo de Atendimento Ambulatorial de Órteses e Próteses e Materiais Especiais (Naopme), a cargo da avaliação e cadastro dos usuários do SUS que necessitam de meios auxiliares de locomoção.

A chefe do Nupop, a fisioterapeuta Mariane Ramos, explica que, durante 2023, foram cadastrados mais de 4 mil pacientes, assistidos e contemplados com diversos equipamentos, dentre coletes torácicos, andadores, bengalas, muletas, aparelhos de CPAP e BIPAP, além de órteses e próteses de membro inferior e superior, tanto para crianças quanto para adultos. “Por meio de visitas técnicas, participação em jornadas e capacitações de servidores da rede, a Oficina Ortopédica contribui com a qualificação dos profissionais e a ampliação da oferta de produtos adequada aos pacientes acompanhados pelo SUS”, diz.

Em agosto de 2023, a SES-DF realizou um procedimento de registro de preços para a aquisição dos materiais ortopédicos com o objetivo de contemplar todos os pacientes atualmente cadastrados na fila de espera da rede.

Como ter acesso

Para adquirir órteses e próteses ambulatoriais, o usuário precisa agendar avaliação e comparecer Naopme, situado na Estação do Metrô da 114 Sul, Praça do Cidadão, e apresentar os seguintes documentos originais:

– Identidade com foto ou certidão de nascimento para menor de 12 anos;
– Cadastro de Pessoa Física (CPF);
– Cartão Nacional do SUS;
– Número do cadastro SES (o usuário pode realizar seu cadastro na unidade básica de saúde mais próxima de sua residência);
– Comprovante de Residência atualizado;
– Solicitação de profissional da área de saúde do SUS.
– Após o cadastro no Banco de Dados do Programa de Órteses e Próteses, os pacientes passarão por uma avaliação realizada por especialista em saúde do Naopme. O tempo de espera para a realização do cadastro é de aproximadamente 15 minutos. Já as avaliações são realizadas por ordem de chegada ou podem ser agendadas presencialmente e ainda pelo telefone 3449-4266, pelo Agenda DF ou por mensagem de WhatsApp no número (61) 99166-6218

Todos os produtos fornecidos pela SES-DF são gratuitos.

*Com informações da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF)

Por Agência Brasília 

Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF / Reprodução Agência Brasília