Funcionários acusados de racismo contra porta-bandeira são demitidos

A loja Dufry Brasil, do aeroporto de Brasília, alegou que demitiu os quatro funcionários “por quebra dos protocolos da empresa

0
1672

Os quatro funcionários que participaram de um caso de racismo no Aeroporto Internacional de Brasília foram demitidos pela Dufry Brasil. Vilma Nascimento, porta-bandeira histórica da escola de samba Portela, foi responsável por realizar a denúncia.

A Dufry, que possui a concessão do varejo no terminal, terminou a investigação interna e, posteriormente, os demitiu “por quebra dos protocolos da empresa”.

Segundo a apuração da empresa, não houve furto na loja em que Vilma foi acompanhada da filha Danielle, que foi com a intenção de comprar presentes para o filho e marido.

“Quando nós chegamos ao aeroporto, Danielle quis comprar uma lembrança para o filho dela e para o marido. Ela ficou olhando o presente, fiquei vendo os perfumes. Sou considerada, no mundo do samba, a cheirosa. O vendedor ficou me acompanhando, me falando os preços porque não enxergo direito. Quando Daniele acabou de comprar, ela pagou o que comprou e saímos. Quando passo pela loja, a segurança chama a gente para entrar e revistar a bolsa. Nunca imaginei ter que passar por isso na vida.”, declarou a porta-bandeira.

Por São Gonçalo Metrópoles

Foto: Reprodução Cidade Verde