Ação contra a dengue vistoria 1.106 imóveis no sábado (11/06)

Força-tarefa que percorreu Ceilândia uniu 130 militares do Corpo de Bombeiros e 62 agentes da Vigilância Ambiental; 70 depósitos encontrados precisaram ser tratados

9

A força-tarefa composta pela Secretaria de Saúde e pelo Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) vistoriou 1.106 imóveis, neste sábado (11), na QNQ, em Ceilândia. Ao todo, 130 militares e 62 agentes da Vigilância Ambiental percorreram as sete quadras do setor para eliminar os criadouros do Aedes aegypti e, mais uma vez, conscientizar a população de como combater o mosquito. A Administração Regional de Ceilândia apoiou a iniciativa.

Dos 1.475 depósitos encontrados, 70 precisaram ser tratados

“Essa é uma região com, ao menos, três bacias hidrográficas o que naturalmente já atrai mosquitos. Intensificamos ações nas casas para reforçar os cuidados com a população, explicou a chefe do Núcleo de Vigilância Ambiental de Ceilândia, Queila Cristina Mendes. Dos 1.475 depósitos encontrados, 70 precisaram ser tratados.

Para a aposentada Maria Antônio Azevedo, 66 anos, todo o cuidado é pouco. Ela contou que uma sobrinha teve chikungunya e tenta se proteger ao máximo para não pegar a doença. “Eu limpo minhas coisas, não deixo água parada, não tenho pratinho de planta para juntar água e limpo a casa todos os dias”.

Na próxima semana, a força-tarefa vai ao Itapoã

A vistoria também passou pela casa do pintor Ronaldo Eneas, 43 anos, que mora com a esposa e os três filhos. Ao abrir a residência para a vigilância ambiental, o homem disse que acha importante ter esse tipo de ação conjunta. “Quando a gente vê os bombeiros juntos, temos mais confiança. Há um surto de dengue então é preciso que a população seja orientada a tenha os cuidados.”

A operação teve início às 7h e encerrou às 12h, contou ainda com o emprego de nove viaturas. A parceria entre Saúde e Corpo de Bombeiros já possibilitou ações em Planaltina, Sobradinho, Guará, Cidade Estrutural e na própria Ceilândia. Na próxima semana, a força-tarefa vai ao Itapoã.

Por Agência Brasília com informações de Sandra Barreto

Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF