Estoques do Hemocentro estão 40% mais baixos desde o início da pandemia

Média de doações registrada desde o começo deste ano é insuficiente para atender a demanda

5614

Os estoques de sangue da Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) estão 40% menores em relação a março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou a pandemia do novo coronavírus e houve a decretação de medidas restritivas, como o fechamento do comércio, no Distrito Federal. As reservas de todos os grupos sanguíneos – exceto AB positivo – se encontram em níveis abaixo do ideal, especialmente os tipos O negativo e B negativo.

Desde o início de 2022, os estoques do único banco de sangue público do DF estão em níveis inferiores aos considerados seguros. A média de 160 doações por dia registrada neste ano, entre 1º de janeiro e o dia 19 de deste mês, não tem sido suficiente. Com isso, o fornecimento de hemocomponentes para procedimentos de rotina pode ser restringido para priorizar atendimentos de urgência.

O estoque estratégico do Hemocentro tem condições de abastecer, de dois a sete dias, toda a rede pública do DF e hospitais conveniados, dependendo do hemocomponente – hemácias, plasma ou plaquetas –, se não houver qualquer doação de sangue no período. A plaqueta é o hemocomponente com validade mais curta, de apenas cinco dias.

Como colaborar

Pessoas que tiveram covid-19 devem aguardar dez dias após o fim dos sintomas, caso não haja sequelas, para doar sangue

A doação de sangue é um processo que leva até 90 minutos, desde o cadastro até o lanche pós-coleta. O atendimento agendado continua obrigatório, para não haver aglomerações, e deve ser feito neste link. O Hemocentro de Brasília está localizado no Setor Médico Hospitalar Norte (início da W3 Norte), próximo ao Hran e à Fepecs, e funciona de segunda a sábado, das 7h15 às 18h.

Para doar sangue, é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 51 kg e estar saudável. Para quem passou por cirurgia, exame endoscópico ou adoeceu recentemente, a recomendação é consultar o site do Hemocentro para saber se está apto a doar sangue.

Quem teve gripe deve aguardar 15 dias após o desaparecimento dos sintomas para poder fazer doações. Quem teve covid-19 precisa aguardar dez dias após o fim dos sintomas, desde que não haja sequelas. Se assintomático, o prazo é contado da data de coleta do exame. Já quem teve contato com pessoa diagnosticada ou com suspeita de covid-19 nos últimos dez dias fica impedido de doar sangue por sete dias após o último contato com a pessoa.

Com relação às vacinas, o tempo de impedimento é mais curto: os imunizantes contra gripe e a Coronavac impedem a doação de sangue por dois dias após a dose. Já as vacinas Pfizer, Astrazeneca e Janssen requerem um intervalo de sete dias após cada dose.

Transporte gratuito

Para facilitar o deslocamento, o Hemocentro de Brasília oferece opções de transporte gratuito para doadores. Veja abaixo.

Linha Vermelha – Taguatinga Shopping
Às terças e quintas-feiras, até 14/4, um micro-ônibus climatizado faz o percurso de ida e volta entre o shopping e o Hemocentro.
Ponto de embarque: entrada principal do Taguatinga Shopping, de frente para o hipermercado Extra, na via interna do centro comercial.
Horários de saída:
– Shopping para Hemocentro: 9h e 13h
– Hemocentro para o shopping: 12h e 16h
Duração do percurso: uma hora.

Linha Vermelha – Rodoviária
De segunda a sexta-feira, um veículo do Hemocentro faz o percurso de ida e volta entre a instituição e a Rodoviária do Plano Piloto.
Ponto de embarque: piso inferior da Rodoviária, voltado para a Catedral, onde normalmente estacionam os ônibus e vans de transporte de servidores públicos.
Horários de saída:
– Hemocentro para Rodoviária: 8h, 9h, 10h, 11h, 12h, 13h, 14h, 15h, 16h, 17h
– Rodoviária para Hemocentro: 8h30, 9h30, 10h30, 11h30, 12h30, 13h30, 14h30, 15h30, 16h30

Grupos de doadores também podem optar pelo transporte gratuito do Hemocentro.

Para mais informações sobre doação, clique aqui.

*Com informações da Fundação Hemocentro de Brasília

Por Agência Brasília com informações de Sandra Barreto

Foto: Renato Araújo/Agência Brasília