Bibliotecas públicas do DF voltam a receber frequentadores

Mais de dez regiões administrativas do Distrito Federal tiveram as bibliotecas públicas reabertas recentemente

958

Após um longo período de portas fechadas devido à pandemia, 15 das 26 bibliotecas públicas espalhadas pela capital federal já estão reabertas e prontas para receber o público. Os locais estão seguindo todos os protocolos necessários para proteger os frequentadores do vírus da covid-19, e voltando a garantir um um espaço para estudos, leitura e sossego aos brasilienses.

Localizada na Ceilândia Norte, a Biblioteca Carlos Drummond de Andrade foi uma das reabertas recentemente, após um ano e cinco meses fechada. De acordo com a coordenadora Pollyana Souza, a unidade possui cerca de 60 mil livros no acervo, além de contar com salas de leitura, 15 computadores com acesso à internet, uma copa para refeições e, implementado recentemente pela Secretaria de Ciência e Tecnologia (SECT), Wi-Fi Social, a tornando uma das bibliotecas mais bem estruturadas de todo o DF.

A coordenadora aponta que a unidade costumava receber um público diversificado todos os dias, como estudantes e moradores de rua, então o fechamento foi prejudicial, pois não conseguiram ofertar o que possuíam de melhor: um ambiente acolhedor, organizado e repleto de informações.

Agora, com a reabertura do local, os frequentadores precisam ter a temperatura aferida na entrada, usar máscaras e limpar os pés em tapetes sanitizantes. A principal medida tomada pela Biblioteca Carlos Drummond de Andrade, no entanto, é a proibição do acesso dos usuários ao acervo. Apenas um funcionário, com luvas de proteção, é permitido manusear os livros antes de entregá-los ao leitor. Assim que são devolvidos, os livros passam por quarentena de 10 dias até que retornem às estantes.

Outra biblioteca que já voltou às atividades é a Biblioteca Nacional de Brasília (BNB), localizada no Eixo Monumental. Reaberta em setembro, a biblioteca está com 60% da capacidade liberada, e segue as mesmas medidas sanitárias adotadas pela biblioteca de Ceilândia Norte. Além disso, a visitação deve ser agendada no website, Minha Agenda Virtual. O diretor substituto do BNB, Daniel Portela, explicou que os agendamentos estão separados em dois turnos diários, das 9h às 14h e das 14h às 19h.

Algumas unidades, como as da Estrutural e do Itapoã, seguem em reforma. Outras ainda estão se planejando e preparando para realizar a abertura ao público.

Bibliotecas abertas no Distrito Federal


Biblioteca Nacional de Brasília (Eixo Monumental)
Funcionamento: Segunda a sexta, das 9h às 19h; sábado e domingo, das 8h30 às 13h30

Biblioteca Pública de Águas Claras
Funcionamento: Segunda a sexta, das 8h às 18h

Biblioteca Pública da Candangolândia
Funcionamento: Segunda a sexta, das 8h às 18h

Biblioteca Braille Dorina Nowill (Taguatinga)
Funcionamento: Segunda a sexta, das 8h às 17h (atendimento feito após agendamento)

Biblioteca Pública do Gama
Funcionamento: Segunda a sexta, 8h às 18; Sábados das 8hh às 12h

Biblioteca Pública do Guará
Funcionamento: Segunda a sexta, das 8h às 18h

Biblioteca Pública do Núcleo Bandeirante
Funcionamento: Segunda a sexta das 8h20 às 22h; sábados de 8h20 às 18h; domingos de 8h20 às 13h

Biblioteca Pública do Paranoá
Funcionamento: Segunda a sexta, das 8h às 18h

Biblioteca Pública do Recanto das Emas (Quadra 805)
Funcionamento: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h

Biblioteca Pública do Riacho Fundo
Funcionamento: Segunda a sexta, das 8h às 12h

Biblioteca Pública de Santa Maria Norte
Funcionamento: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h

Biblioteca Pública de Santa Maria Sul
Funcionamento: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h

Biblioteca Pública de Sobradinho
Funcionamento: Segunda a sexta das 8h30 às 22h; sábado das 8h às 12h

Biblioteca Pública de Sobradinho II
Funcionamento: Segunda a sexta das 8h às 22h; sábado das 8h às 18h

Biblioteca Pública de Ceilândia Carlos Drummond de Andrade
Funcionamento: Segunda a sexta das 8h às 22h; sábado das 8h às 12h

Com informações da Agência Brasília

*Estagiário sob supervisão de Pedro Grigori

Por Berrnardo Guerra do Correio Braziliense com informações de Sandra Barreto da Gazeta do DF

Foto: ED ALVES/CB/D.A.Press