Ceasa está a caminho de ganhar o Mercado Central de Brasília

Espaço de quase 40 mil metros quadrados vai gerar cerca de 1,2 mil novos empregos

4059

“A iniciativa vai auxiliar na geração de novos empregos, na manutenção de negócios e na preservação de nossas conquistas, além de atuar de forma positiva na retomada da economia pós-pandemia”Roberto Andrade, secretário de Projetos Especiais

Um novo point de lazer, turismo e consumo de produtos de alimento e artesanato, entre várias outras opções vindas de diversas partes do país. Assim pretende ser o Mercado Central de Brasília, projeto do governo Ibaneis Rocha com mais de 39 mil metros quadrados que será construído dentro das Centrais de Abastecimento (Ceasa) a partir de uma Parceria Público-Privada (PPP).

O modelo do espaço segue o de locais similares no Brasil, a exemplo do Mercado Municipal de São Paulo, e tem capacidade para gerar cerca de 1,2 mil novos postos de trabalho diretos. O empreendimento terá custo zero para o GDF.

O secretário de Projetos Especiais, Roberto Andrade, comemora: “A iniciativa de implantação do Mercado Central de Brasília, de forma integrada com a iniciativa privada, vai auxiliar na geração de novos empregos, na manutenção de negócios e na preservação de nossas conquistas, além de atuar de forma positiva na retomada da economia pós-pandemia. É uma excelente medida”.

Não é para menos. Atualmente, 600 mil pessoas circulam mensalmente pela Ceasa. Com o empreendimento, esse número pode chegar a 750 mil.  Quanto aos efeitos na microeconomia local, a expectativa é que a atividade institucional do Mercado Central de Brasília contribua para um aumento na capacidade de atendimento, gerando um impacto positivo na rede de comércio e serviços do Entorno.

“É uma ideia que vem de alguns anos, consta no plano do governo atual, e será bom para a cidade, porque Brasília não tem uma estrutura com esse perfil”, comenta o presidente da Ceasa-DF, Sebastião Marcio Lopes. “Será excepcional, o projeto é encantador.”

Audiência pública

R$ 200 milhõesInvestimento global previsto para o empreendimento, que terá custo zero para o GDF

A ideia de criar em Brasília um local de encontro agregando interesses gastronômicos e turísticos dentro da Ceasa é antiga, mas amadureceu. Tanto que o projeto já existe e será submetido a audiência pública em 1º de setembro, a partir das 9h. “Trata-se de um passo obrigatório; essa audiência vai trazer uma série de contribuições que a comissão avaliará se serão incorporadas ou não no edital”, explica o gestor.

A etapa seguinte será a abertura de licitação, o que deve ocorrer no final deste ano. Se tudo der certo, as primeiras estacas da obra serão fincadas no primeiro semestre de 2022. O espaço reservado para a construção do mercado é toda a área verde que circunda a administração da Ceasa, com investimento global na casa de R$ 200 milhões.

A empresa que ganhar a licitação terá direito de explorar o mercado por 35 anos. “Para, isso ela vai fazer uma remuneração à Ceasa, que é dona do espaço”, informa o gestor. “Após os 35 anos, o espaço retorna incorporado ao patrimônio da Ceasa, que poderá explorar diretamente ou renovar a licitação.”

A modernização da atual estrutura da Ceasa é só mais uma conquista desse espaço cativo criado em 1972. “Será um grande ponto de encontro brasiliense, com grandes atrações gastronômicas e diversidade de artesanato”, antevê Sebastião Lopes. “Duvido que quem venha visitar o DF não queira passar pelo local.”

O titular da Sepe, por sua vez, reforça: “A Secretaria de Projetos Especiais tem trabalhado incansavelmente na coordenação de projetos de parceria que buscam a qualificação e a estruturação de novos empreendimentos na capital federal.”

Audiência pública

Tema: implantação, exploração, operação, manutenção e gerenciamento do Mercado Central de Brasília

Data: 1º/9, com primeira chamada às 9h e segunda às 9h30

Local: Administração da Ceasa – SAI, Trecho 10. O evento será transmitido ao vivo no canal da Ceasa no YouTube

Por Agência Brasília com informações de Sandra Barreto da Gazeta do DF

Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília