‘GDF Presente’ acaba com erosão no acesso à Metropolitana

Equipes fecharam buraco de 8m de largura próximo à passagem de pedestres no Núcleo Bandeirante

2296

Um buraco de cerca de 3m de profundidade e 8m de largura atrapalhava a passagem dos moradores entre o Núcleo Bandeirante e a Metropolitana. Causada pelas chuvas, a erosão ficava um pouco antes da ponte, que permite a circulação de pedestres no acesso ao bairro histórico. Conter e dar fim ao buraco foi uma das ações prioritárias da semana de trabalhos do GDF Presente no Núcleo Bandeirante, em parceria com a administração da cidade.

A Metropolitana tem três acessos – dois para carros e um exclusivo para pedestres. O buraco estava bem ao lado da calçada por onde passam os pedestres. “O risco era a erosão crescer e desbarrancar a calçada”, afirma o diretor de Articulação da administração regional, Luciano Leão Amaro, um dos servidores que elaboram o cronograma do GDF Presente juntamente com o administrador da cidade, Adalberto Carvalho.

Segundo ele, a ponte é muito usada pelos moradores, pois fica ao lado de uma ciclovia, que também recebeu melhorias, como poda de árvores, recolhimento de folhas e galhos, roçagem e capina do mato. A erosão na ponte foi contida com a aplicação de resíduos de construção civil (RCC), o agregado de brita produzido pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU). Trata-se de uma mistura de pedregulho, areia, pedra britada, escória ou outros materiais minerais, usada em combinação com um ligante para formar uma espécie de argamassa.

PECs e parquinhos

Na semana de ações no Núcleo Bandeirante, as equipes do Polo Central Adjacente II também lavaram quatro pontos de encontro comunitário (PECs) e cinco parques infantis às margens da Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia). Além disso, 35 toneladas de massa asfáltica foram usadas em diversos trechos do Núcleo Bandeirante, como nos blocos da área residencial, no Setor de Oficinas e no Setor de Indústria Bernardo Sayão.

Também foi concluída a reconstrução da mureta da calçada na Terceira Avenida que serve como proteção para os pedestres, pois a calçada é elevada. Além disso, foi feito o conserto de calçadas de pedra portuguesa na Avenida Central, enquanto cerca de 70 toneladas de entulhos foram recolhidas no Setor Habitacional Bernardo Sayão, na Placa das Mercedes, na Metropolitana e na Vila Cauhy. As equipes ainda recolheram entulhos e inservíveis no Lar dos Velhinhos Maria Madalena e no pátio da creche Casa da Mãe Preta.

Estradas rurais

“O trabalho facilitou o acesso de ambulâncias, bombeiros e viaturas da polícia, sem falar na circulação dos carros dos próprios moradores”Rodrigo Caverna, coordenador do Polo Adjacente II

Máquinas do Polo Central também estão sendo usadas em uma força-tarefa emergencial para ajustar vias sem asfalto da terceira etapa do Condomínio Porto Rico, em Santa Maria. Uma pá mecânica, um rolo compactador, uma patrol, uma retroescavadeira e três caminhões-pipa do GDF Presente, além de cinco caminhões da Administração Regional de Santa Maria e outros cinco da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), trabalharam na terraplanagem e ajustes de ruas de terra da região.

Pelo menos 12 ruas receberam melhorias em um trabalho feito ao longo das duas últimas semanas. “Foi uma força-tarefa determinada pela Secretaria de Governo; as estradas estavam intransitáveis, parecia nem ter rua”, conta o coordenador do Polo Central Adjacente II, Rodrigo Caverna.

Segundo ele, os ajustes vão permitir uma melhor trafegabilidade na região. “O trabalho facilitou o acesso de ambulâncias, bombeiros e viaturas da polícia, sem falar na circulação dos carros dos próprios moradores”, informa o gestor. Cerca de 600 toneladas de RCC foram usadas na compactação do solo.

Por Agência Brasília com informações de Sandra Barreto da Gazeta do DF

Foto: GDF Presente