Incentivos para ajudar na recuperação da economia

31

Programa trabalha com três pilares de benefícios para escolha do usuário: os fiscais, os incentivos imobiliários e os créditos de fomento.

Empresário de sucesso no ramo de panificação, Jurandir Pizane, 58 anos, quase desistiu de investir no Distrito Federal. Seus negócios na capital federal andavam no vermelho e com a pandemia do coronavírus os prejuízos aumentaram. Há uma década em Brasília, ele viu no programa Emprega-DF, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), uma alternativa para sair das dificuldades.

“Já estava me preparando para sair do DF. Mas consegui um ótimo incentivo fiscal aderindo ao programa”, conta. “Veio uma excelente redução do ICMS apurado. Daí, repensei a vida do meu negócio”, explica ele.

Com a adesão ao programa, o empreendedor segue fabricando seus pães no DF, e os comercializa até mesmo para outros estados. Com o objetivo de tornar o Emprega-DF e outros incentivos mais acessíveis, a SDE colocou na praça o Mais Capital. Um programa de atração de investimentos, que apresenta por meio de um site um leque de possibilidade e estímulos para o desenvolvimento da indústria e comércio.

“Na verdade, o que buscamos, é justamente atrair novas empresas e plantas para o DF, além de cuidar com bastante aprumo das que já existem”, pontua o Secretário de Desenvolvimento Econômico, José Eduardo Pereira. “O Mais Capital veio para ser um balcão de atendimento. Nele, vamos oferecer todas as possibilidades para os empreendedores”, complementa.

O site do programa é a porta de entrada para o investidor. Ele trabalha com três pilares de benefícios para escolha do usuário: os fiscais, os incentivos imobiliários e os créditos de fomento.

Entre os incentivos fiscais, está o Emprega-DF. Nos imobiliários, há a opção para aquisição de lotes diretamente com a Terracap, por exemplo. Há também a possibilidade de solicitar empréstimos como é o caso do crédito rural ofertado pelo Banco de Brasília (BRB).

“Não queremos o empresário ‘quicando’ de área em área para saber o que ele precisa. No portal, ele vai poder ver muita coisa. Além do que, vamos acompanhar ele durante todo o processo”, afirma o secretário-executivo da SDE, Bruno Watanabe.

Com muitas informações na “palma da mão”, Watanabe acredita que investidores poderão olhar com mais atenção para a capital. E os empresários daqui poderão fazer escolhas certeiras para seu negócio. “Agora, todas as possibilidades estão em um balcão único. Isso significa também a redução da burocracia”, finaliza.

As informações são da Agência Brasília

Por Redação do Jornal do Brasília com informações de Sandra Barreto da Gazeta do DF

Foto Reprodução