Censo: DF é a segunda unidade da federação com mais redes de água e esgoto

Segundo o IBGE, 99,6% dos domicílios contam com abastecimento de água adequado. Nesse quesito, o DF fica atrás apenas do Espírito Santo, que registrou 99,8%

0
901

O Distrito Federal é a segunda unidade da federação com mais acesso a redes de esgoto e água. Segundo dados do Censo 2022, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (23/2), 99,6% dos domicílios da capital contam com abastecimento de água adequado. Nesse quesito, o DF fica atrás apenas do Espírito Santo, que registrou 99,8%. Já em relação ao esgoto, 94,1% da população do Distrito Federal é atendida por esse serviço. O índice é superado apenas por São Paulo, que conta com 94,5%.

Em âmbito nacional, 62,5% da população brasileira mora em domicílios conectados à rede de coleta de esgoto. Esse índice era de 44,4% em 2000 e subiu para 52,8% em 2010. No entanto, o levantamento mostra que quase um terço dos brasileiros vivem em casas sem coleta de esgoto. O Censo também revela que as restrições de acesso a saneamento básico são maiores entre pretos, pardos e indígenas.

“Esse panorama está ligado à distribuição regional dos grupos, com presença maior da população de cor ou raça preta, parda e indígena no Norte e Nordeste, regiões com menor infraestrutura de saneamento. Em todos os 20 municípios brasileiros mais populosos, a população de cor ou raça branca tem mais acesso a abastecimento de água, esgotamento sanitário e coleta de lixo do que a população de cor ou raça preta, parda e indígena”, explica Bruno Perez, analista da pesquisa.

Os dados do IBGE apontam que os moradores do Sudeste são mais atendidos por rede coletora de esgoto, com 86,2% da população atendida. Em contrapartida, a região Norte mostrou a menor taxa nesse indicador, com 22,8%. Entre as unidades federativas, São Paulo foi a que mais se destacou positivamente, com 90,8%, enquanto que no Amapá, apenas a rede de esgoto alcança taxa de apenas 11%.

Além do DF, Paraná, São Paulo, Espírito Santo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul foram as unidades de federação que ultrapassaram os 99% de moradores com água canalizada na residência. Amazonas (9,6%), Acre 9,6%) e Pernambuco (9,2%) foram os estados com mais moradores sem água canalizada.

Por Aline Gouveia do Correio Braziliense

Foto: Kayo Magalhães/CB/D.A Press / Reprodução Correio Braziliense